S

S2018-09-05T14:53:39+00:00

SACAROSE, ABSORÇÃO DA

SACAROSE, PROVA DA

CBHPM 4.03.02.41-5

AMB 28.01.161-9

Sinonímia:
Teste/prova de tolerância à sacarose. Teste de tolerância à sucrose. Teste de tolerância ao açúcar comum, açúcar de cana ou açúcar de beterraba.
Prova da sacarose. Curva de sacarose.
Não confundir com Teste de hemólise com sacarose para diagnóstico da HPN (Hemoglobinúria Paroxística Noturna) que pode vir acompanhado de Teste de Ham (Hemólise ácida de Ham).

Fisiologia:
alfa-d-glicopiranosil-beta-d-frutofuranosídeo Fórmula molecular = C12H22O11 Massa molecular = 342,297 g/mol

Material Biológico:
Plasma fluoretado.

Coleta:
0,5 ml de plasma para cada tempo da prova. Coletar a primeira amostra de sangue antes da ingestão da sacarose (amostra basal ou jejum). Dosar a glicose nesta amostra; se a glicemia basal for superior a 140 mg/dl, cancelar o teste. Se for inferior a 140 mg/dl, administrar a sacarose, cronometrar e coletar as demais amostras aos 15, 30, 60 e 90 min, identificando os tempos nos respectivos tubos.

Armazenamento:
Separar os plasmas por centrifugação, logo após a coleta. Se as dosagens não forem efetuadas no mesmo dia, congelar as amostras.

Exames Afins:
Absorção de triglicérides. Absorção da D-xilose.
Pesquisa de gorduras fecais.

Valor Normal:

Normal

Deficiência

Jejum

15 min

30 min

60 min

90 min

elevação de 20 a 25 mg/dl na glicemia em relação ao tempo basal

elevação inferior a 20 mg/dl

70 a 110 mg/dl

80 a 130 mg/dl

90 a 160 mg/dl

90 a 160 mg/dl

80 a 140 mg/dl

Preparo do Paciente:
Jejum de 4 horas para crianças e de 8 horas para adultos. Administrar 2 g de açúcar comum/kg de peso corporal até a dose máxima de 50 g

Interferentes:
Paciente estressado.

Método:
Hexoquinase - UV - Automatizado.

Interpretação:
Teste útil para diagnóstico de deficiência de dissacaridase (alfa-glicosidase ou beta- frutofuranosidase). Uma curva achatada com aumento da glicemia inferior a 20 mg/dl indica a deficiência.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

SAINT LOUIS, ENCEFALITE DE

ENCEFALITE DE SAINT LOUIS

Sinonímia:
Anticorpos anti-encefalite de Saint Louis IgG e IgM.
SLE. Saint Louis Encephalitis.

Fisiologia:
Taxonomia:

Família Flaviviridae, Gênero Flavivirus.
Espécie Saint Louis Encephalitis Virus.
MOSQUITO TRANSMISSOR:
Taxonomia:
Reino Eukaryotae, Filo Metazoa, Subfilo Arthropoda, Classe Insecta, Ordem Diptera, Família Culicidae, Gênero Culex, Espécies: nigripalpus, quinquefasciatus, salinarius, restuans e outras.
Zoonose comum nos EUA, principalmente na Flórida.
O vírus é transmitido ao homem por picada de fêmeas hematófagas contaminadas de mosquitos do gênero Culex spp. O reservatório natural do vírus é em vertebrados silvestres, principalmente pássaros.
O vírus também ocorre na América Central e do Sul, mas raramente causa doença humana nessas regiões.

Material Biológico:
Soro.

Coleta:
1,0 ml de soro.

Armazenamento:
Refrigerar entre +2 a +8ºC para até 24 horas.
Para períodos maiores, congelar a -20ºC.
Não estocar em freezer tipo frost-free.

Valor Normal:

IgG

Até 1/10

IgM

Até 1/10

Não reagente

Não reagente

(sem exposição prévia)

§

§ Deve sempre ser realizado se IgG >= 1/1

Preparo do Paciente:
Jejum de 4 ou mais horas. Água ad libitum.

Método:
Imunofluorescência IgG e IgM.

Interpretação:
O diagnóstico é positivo para SLE se o título se elevar em amostras coletadas com intervalo de 14 dias.

SALIVA

AMB 28.01.129-5

Fisiologia:
A saliva é um líquido hipotônico produzido em grande volume pelos salivons e secretada pelas glândulas salivares. Contém principalmente muco, alfa-amilase (ptialina), lipase (lipase lingual), lisozima, IgA e lactoferrina.

Valor Normal:

Volume

Densidade

pH adultos

pH crianças

Água

Proteínas totais

N não-protéico

Amoníaco

Uréia adultos

Uréia crianças

Ácido cítrico

Ácido láctico

Ácido úrico

Alfa-amilase

Substâncias redutoras

Cloro adultos

Cloro crianças

Potássio

Sódio

Fósforo orgânico

Fósforo inorgânico

Fósforo total

Cálcio

Magnésio

Quociente Na/K

1.000 a 1.500 ml/24 h

1,002 a 1,008

5,17 a 6,77

6,40 a 8,24

99,5 %

0,0 a 538,0 mg/dl

17,0 a 58,0 mg/dl

2,0 a 10,0 mg/dl

75 a 90 % da sérica

20,0 a 36,0 mg/dl

0,04 a 1,30 mg/dl

2,5 a 10,0 mg/dl

0,8 a 2,1 mg/dl

acima de 1.000 U/l

10,0 a 30,0 mg/dl

40,4 a 165,2 mg/dl

24,8 a 90,5 mg/dl

11,9 a 27,5 mmol/l

18,8 a 29,6 mmol/l

0,0 a 13,3 mg/dl

8,1 a 21,7 mg/dl

12,0 a 28,8 mg/dl

4,5 a 10,0 mg/dl

0,5 a 1,0 mg/dl

1,02 a 1,58

Interpretação:
Quociente Na/K >= 2,0 é compatível com insuficiência córtico-supra-renal (D. de Addison).

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

SANGUE OCULTO

HEMOGLOBINA FECAL

CBHPM 4.03.03.13-6

AMB 28.03.017-6

Sinonímia:
Sangue oculto nas fezes. Hemoglobina fecal.

Fisiologia:
Esta pesquisa precisa ser feita em fezes evacuadas recentemente. Lembrar que certos sangramentos de lesões intestinais podem não ocorrer continuamente e que não impregnam homogeneamente todo o bolo fecal, podendo, conforme a fração da amostra fecal estudada, dar resultado falso-negativo. Outrossim, a presença nas fezes de hemoglobina animal (boi, porco, peru, cabra, carneiro, coelho, aves, etc.) derivada do consumo de carnes, frios ou embutidos, pode dar resultado falso-positivo. Diante de um resultado positivo é imperioso confirmá-lo em outras amostras de fezes pelo método imunocromatográfico específico para hemoglobina humana.

Material Biológico:
Fezes.

Coleta:
Todo o material de uma evacuação recente coletada sem uso de conservante.

Armazenamento:
Enviar o mais rápido possível.
Refrigerar a amostra entre +2 a +8ºC

Exames Afins:
Eritrograma. Pesquisa imunocromatográfica de hemoglobina humana nas fezes.

Valor Normal:
Negativo
Quando Positivo, significa presença de hemoglobina humana e/ou animal nas fezes

Preparo do Paciente:
Retirar frascos no Laboratório.
Não tomar laxante, não fazer uso de contraste radiológico por via oral nas 72 horas que antecedem a coleta.
Se o exame foi solicitado em 3 amostras, coletá-las em dias consecutivos ou a critério médico.
DIETA:
Durante os 3 dias que antecedem a coleta de material para este exame, o paciente não deve comer carnes nem derivados, inclusive caldos, extratos ou molhos que as contenham. Recomenda-se também não comer beterrabas vermelhas, chocolates ou bebidas alcóolicas. Medicamentos contendo Ferro precisam ser suspensos, assim como, aspirina, indometacina, fenilbutazona, corticosteróides e reserpina que podem causar sangramento gastrintestinal.
Recomenda-se, durante esse período, não escovar ou palitar os dentes nem utilizar fio dental, para evitar sangramento das gengivas. É permitido lavar a boca, bochechar e fazer gargarejos.
A contaminação da amostra de fezes com sangue de qualquer outra etiologia (menstrual, hemorróidas) invalida o teste.

Interferentes:
Não observância do preparo ou da dieta.

Método:
Peroxidase.
Obs.: existe metodologia para pesquisa imunocromatográfica de hemoglobina humana nas fezes; nesse caso, a dieta privativa de carne pode ser dispensada.

Interpretação:
É útil no auxílio ao diagnóstico presuntivo de lesões sangrantes da mucosa de porções baixas do trato digestivo (especialmente lesões dos colos) e na triagem de casos precoces do câncer do colo em indivíduos acima de 40 anos.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

SARAMPO IgG e IgM

CBHPM 4.03.08.12-0
CBHPM 4.03.08.13-8
CBHPM 4.03.08.11-1

AMB 28.06.262-0

Sinonímia:
Morbilli. II doença exantemática. MeV.
Edmonston virus. Measles virus.
ICTVdB 01.048.1.02.004

Fisiologia:
Taxonomia:
Ordem Mononegavirales, Família Paramyxoviridae, Subfamília Paramyxovirinae, Gênero Morbillivirus, Espécie Measles virus. (Vírus do sarampo).
RNAvirus com envelope.

Material Biológico:
Soro.

Coleta:
2,0 ml de soro.

Armazenamento:
Refrigerar entre +2 a +8ºC para até 2 dias.
Para mais dias, congelar a amostra a –20ºC.
Não estocar em freezer tipo frost-free.

Exames Afins:
Rubéola e Mononucleose.

Valor Normal:

IFI:


Negativo ou Não reagente

ELISA:

Interpretação

Reagente ou Positivo

“Borderline”

Não reagente ou Negativo

Índice de Imunidade*

> 1,10

0,90 a 1,10

< 0,90

*Obtém-se pela relação:

onde: 
II = Índice de Imunidade 
DOpaciente	= Densidade óptica do paciente 
DOcut-off	= Densidade óptica do cut-off

Obs.: Nos laudos de exames o Índice de Imunidade pode ser expresso em “UA” ou “AU” – “Unidades Arbitrárias” ou “Arbitrary Units”.

Preparo do Paciente:
Jejum de 4 ou mais horas. Água ad libitum.

Interferentes:
Hemólise. Lipemia. Descongelamentos repetidos.

Métodos:
Imunofluorescência indireta. ELISA.

Interpretação:
IgG : Reagente pode ser diagnóstico de imunidade ou doença ativa (infecção aguda). Para diferenciá-los deve-se investigar a IgM.
IgM : Reagente é sugestivo de doença ativa (infecção aguda).

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/ICTVdb

SCEDOSPORIUM APIOSPERMUM

PSEUDALLESCHERIA BOYDII

Sinonímia:
Pseudallescheria boydii. Allescheria boydii.
Monosporium apiospermum.

Fisiologia:
Taxonomia:
Reino Fungi, Filo Ascomycota, Classe Euascomycetes, Ordem Microascales, Família Microascaseae, Gênero Scedosporium, Espécie apiospermum.
Teleomorfo: Pseudallescheria boydii.
O Scedosporium apiospermum é fungo do solo com distribuição global. Isolamentos ambientais têm sido feitos a partir de cursos de água poluídos, estercode aves e bovinos e lama de esgotos.
É fungo oportunista que pode infectar acidentalmente hospedeiros imunocompetentes ou imunodeprimidos.
Uma colonização não-invasiva pode ocorrer no ouvido externo ou no pulmão de pacientes com má drenagem brônquica, com cavidades pré-formadas ou nos seios paranasais. As infecções invasivas ocorrem por implantação traumática, podendo manifestar-se por infecções sub-cutâneas, osteomielite e artite. Infecções disseminadas geralmente ocorrem em pacientes sob tratamentos com corticóides e imunossupressores para transplante de órgãos, leucemia, linfoma, LES, D. de Crohn. As infecções podem incluir sinusite, pneumonia, artrite com osteomielite, granulomas cutâneos e sub-cutâneos, meningite, abscesso cerebral, endoftalmite, ceratouveíte e endocardite.

Material Biológico:
Escarro, lavado brônquico, tecido desbridado, secreções suspeitas, biópsias.

Coleta:
Coletar para tubo de ensaio ou recipiente estéril.
Conservar à temperatura ambiente.
No caso de biópsia, não fixar em formol ou álcool a parte destinada à cultura.

Normal:
Ausente ou negativo

Método:
Cultura em meios específicos.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

SDHEA

DHEAS

CBHPM 4.07.12.45-1

AMB 28.05.022-3

Sinonímia:
DHEA-S. DHEA-SO4. DHEAS. SDHA.
Sulfato de Deidroepiandrosterona.
Deidroisoandrosterona 3-sulfato.
Deidroepiandrosterona 3-sulfato.
5-androsten-3-beta-ol-17-ona sulfato.

Fisiologia:
Fórmula molecular = C19H28O5S
Massa molecular = 368,4912 g/mol
Na mulher, é um esteróide adrenal exclusivo. No homem, pode originar-se também dos testículos justificando as faixas de normalidade diferentes nos dois sexos a partir dos 15 anos.
O SDHEA é um andrógeno fraco, mas ele pode ser metabolizado a andrógenos mais potentes como androstenediona e testosterona e ser a causa indireta de hirsutismo e virilização.
Meia-vida (t½) biológica: aproximadamente 24 horas.

Material Biológico:
Soro.

Coleta:
1,0 ml de soro.
Informar sexo, idade, DUM e mês de gestação, se for o caso.
Centrifugar o soro apenas após início da retração do coágulo para prevenir a presença de fibrina. Se o(a) paciente estiver em terapia anticoagulante, deixar retrair o coágulo por mais tempo.

Armazenamento:
Refrigerar a amostra entre +2 e +8ºC para até 48 horas em tubos de vidro ou de polipropileno.
Para conservação até 2 meses, congelar a -20ºC.
Não estocar em freezer tipo frost-free.

Exames Afins:
ACTH, Cortisol, Androstenediona, Testosterona, DHEA, Cromatografia de andrógenos urinários, 17 KS

Valor Normal:
Método: Radioimunoensaio com 125I.

Idade

1 a 5 meses

6 a 11 meses

1 a 5 anos

6 a 9 anos

10 e 11 anos

12 a 14 anos

16 a 17 anos

18 a 29 anos

30 a 39 anos

40 a 49 anos

50 a 59 anos

60 a 69 anos

70 a 79 anos

80 a 89 anos

Puberdade

Tanner I

Tanner II

Tanner III

Tanner IV

Tanner V

Homens

até 41 µg/dl

5 a 20 µg/dl

até 40 µg/dl

até 145 µg/dl

15 a 115 µg/dl

20 a 500 µg/dl

30 a 555 µg/dl

80 a 560 µg/dl

59 a 452 µg/dl

59 a 452 µg/dl

20 a 413 µg/dl

10 a 285 µg/dl

28 a 175 µg/dl

9 a 174 µg/dl

5 a 265 µg/dl

15 a 380 µg/dl

60 a 505 µg/dl

65 a 560 µg/dl

165 a 500 µg/dl

Mulheres

5 a 55 µg/dl

5 a 30 µg/dl

até 20 µg/dl

até 140 µg/dl

15 a 260 µg/dl

20 a 535 µg/dl

35 a 535 µg/dl

35 a 430 µg/dl

52 a 400 µg/dl

44 a 352 µg/dl

39 a 183 µg/dl

11 a 150 µg/dl

17 a 90 µg/dl

5 a 73 µg/dl

5 a 125 µg/dl

15 a 150 µg/dl

20 a 535 µg/dl

35 a 485 µg/dl

75 a 530 µg/dl

Método: Quimioluminescência

Idade

1 a 7 dias

8 a 15 dias

1 a 3 anos

4 a 6 anos

7 e 8 anos

9 e 10 anos

11 anos

12 anos

13 anos

14 anos

15 anos

16 anos

17 anos

18 e 19 anos

20 a 29 anos

30 a 39 anos

40 a 49 anos

50 a 59 anos

60 a 69 anos

70 a 79 anos

80 a 89 anos

Puberdade

Tanner I

Tanner II/III

Tanner IV

Tanner V

Homens

91 a 376 µg/dl

37 a 224 µg/dl

até 21 µg/dl

até 186 µg/dl

até 94 µg/dl

16 a 75 µg/dl

20 a 152 µg/dl

18 a 344 µg/dl

21 a 243 µg/dl

19 a 285 µg/dl

59 a 310 µg/dl

47 a 357 µg/dl

102 a 341 µg/dl

108 a 441 µg/dl

280 a 640 µg/dl

120 a 520 µg/dl

95 a 530 µg/dl

70 a 310 µg/dl

42 a 290 µg/dl

28 a 175 µg/dl

9 a 174 µg/dl

até 87 µg/dl

20 a 151 µg/dl

75 a 282 µg/dl

121 a 368 µg/dl

Mulheres

73 a 367 µg/dl

44 a 247 µg/dl

até 79 µg/dl

até 38 µg/dl

até 68 µg/dl

até 160 µg/dl

até 98 µg/dl

28 a 177 µg/dl

23 a 167 µg/dl

32 a 301 µg/dl

39 a 288 µg/dl

58 a 354 µg/dl

97 a 399 µg/dl

145 a 395 µg/dl

65 a 380 µg/dl

45 a 270 µg/dl

32 a 240 µg/dl

26 a 200 µg/dl

até 130 µg/dl

17 a 90 µg/dl

5 a 73 µg/dl

até 65 µg/dl

22 a 175 µg/dl

57 a 230 µg/dl

76 a 378 µg/dl

* Para obter valores em ng/ml, multiplicar os µg/dl por 10 ** Para obter valores em µmol/l, multiplicar os µg/dl por 0,02714

Preparo do Paciente:
Jejum de 10 a 12 horas. Água ad libitum. Não administrar radioisótopos in vivoao paciente nas 24 horas precedentes à coleta.

Interferentes:
Hemólise, lipemia, icterícia, fibrina. Presença de radioisótopos circulantes. Descongelamentos repetidos.
DROGAS:
Aumento: clomifeno, ACTH, danazol.
Diminuição: carbamazepina, fenitoína, cetoconazol, contraceptivos orais, ampicilina (na gravidez).

Método:
Quimioluminescência.
Substrato: adamantildioxetanofosfato.
Radioimunoensaio.

Interpretação:
Metabólito da DHEA, relacionado com hiperfunção androgênica da glândula adrenal.
AUMENTO: hiperplasia adrenal congênita, carcinoma adrenal, tumores virilizantes das adrenais, hirsutismo, alopécia feminina, D. de Cushing hipófise-dependente.
DIMINUIÇÃO: D. de Addison, hipoplasia adrenal.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

SECREÇÃO VAGINAL, A FRESCO e GRAM

BACTERIOSCÓPICO DE SECREÇÃO VAGINAL

CBHPM 4.03.10.06-0

AMB 28.10.009-3

Sinonímia:
Bacterioscópico de secreção vaginal pelo Gram. Coloração de Gram. Índice de Nugent. Hans Christian J. Gram = bacteriologista dinamarquês, 1853-1938, que padronizou a coloração que leva o seu nome. Bacterioscópico de secreção vaginal a fresco.

Fisiologia:
A coloração de Gram permite subdividir as bactérias em dois grandes grupos: as designadas Gram+ (positivas), que têm a capacidade de reter o primeir corante usado (cristal violeta), e as Gram- (negativas) que não conseguindo reter o primeiro corante, adquirem a cor do segundo, após a lavagem com o solvente orgânico. Este fato se deve à diferença na espessura da camada de peptidoglicano existente na parede bacteriana. Assim, a camada espessa das Gram+, depois de colapsar sob o efeito desidratante do etanol, não permite a saída do corante, um complexo formado pelo cristal violeta e pelo iodo; contrariamente, a camada fina das Gram- mesmo colapsada não evita a saída do corante ficando a célula incolor, e por isso a necessidade de usar um segundo corante contrastante - a safranina ou a fucsina.
Flora vaginal:
Microrganismos da flora normal: Bacilo de Albert S. G. Döderlein Lactobacillus acidophilus Lactobacillus jensenii Staphylococcus coagulase negativa

Material Biológico:
Secreção vaginal.

Preparo da Paciente:
Com a paciente em posição ginecológica, introduzir o espéculo vaginal de modo a visualizar o colo uterino.
Atenção: em pacientes virgens, a coleta deverá ser efetuada pelo próprio médico assistente.

Coleta:
A fresco:
com uma alça bacteriológica descartável, coletar do fundo de saco vaginal (Douglas), uma boa quantidade de secreção e introduzi-la num tubo de ensaio contendo 1 ml de solução fisiológica glicosada previamente preparada.
Gram: coletar a secreção com swab, alça bacteriológica descartável ou espátula de Ayre e fazer esfgregaços em lâmina(s) de vidro rigorosamente isenta(s) de outras bactérias.

Armazenamento: A fresco: se não for enviado imediatamente à técnica, manter o tubo de ensaio bem fechado, em geladeira, entre +2 a +8ºC
Gram: manter seco e à temperatura ambiente.

Exames Afins:
Cultura de secreção vaginal. Antibiograma. BAAR.
Exame a fresco. Gardnerella vaginalis.

Resultado:
Deve ser observado o seguinte:
A fresco:
Células epiteliais descamativas,
Leucócitos,
Hemácias,
Leveduras,
Trichomonas vaginalis,
“Clue cells” (geralmente associadas a Gardnerella spp.),

Gram:
Lactobacilos de Döderlein,
Bacilos Gram positivos difteróides,
Bacilos Gram negativos,
Bacilos Gram negativos fusiformes (sugestivos de Mobiluncus spp.),
Cocos Gram positivos,
Cocobacilos Gram lábeis (sugestivos de Gardnerella spp.),
Diplococos Gram negativos intracelulares,
Índice de Nugent.

Interpretação: Varia conforme os resultados obtidos. Os resultados Gram+ ou Gram- precisam ser coerentes com a(s) bactéria(s) eventualmente isolada(s) das culturas.
O conhecimento prévio da característica tintorial da bactéria permite escolher um antibiótico mais adequado para a terapêutica preliminar da infecção.
Após o resultado da cultura e do antibiograma pode-se decidir, conforme a suscetibilidade, continuar ou mudar o antibiótico.

ÍNDICE DE NUGENT
Este índice é destinado a classificar, a partir da pesquisa semi-quantitativa de Lactobacillus spp., Gardnerella spp.e Mobiluncus spp., a possibilidade de vaginose. Primeiro classificam-se cada uma das três bactérias em “cruzes” e atribuem-se “pontos” conforme o seguinte critério:

Microrganismos por campo de 1.000 x

Nenhum

1

2 a 5

6 a 30

> 30

“Cruzes”

-

+

++

+++

++++

“Pontos”

0

1

2

3

4

Depois atribui-se uma “Nota” a cada uma das três bactérias conforme as seguintes tabelas:

Lactobacillus spp. “Pontos”

4

3

2

1

0

“Nota”

0

1

2

3

4

Gardnerella spp.“Pontos”

4

3

2

1

0

“Nota”

0

1

2

3

4

Mobulincus spp. “Pontos”

3 e 4

1 e 2

0

“Nota”

2

1

0

Finalmente, somam-se as “Notas” obtidas com cada uma das bactérias e interpreta-se conforme abaixo:

“Nota”

0 a 3

4 a 6

7 a 10

Interpretação

Negativo para vaginose bacteriana

Flora vaginal alterada

Vaginose bacteriana

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

SEDIMENTO URINÁRIO

CONTAGEM DE ADDIS

CBHPM 4.03.11.29-5
CBHPM 4.03.11.21-0

AMB 28.13.037-5

Sinonímia:
EAS. Elementos Anormais do Sedimento. Elementos figurados da urina. Contagem ou prova de Addis-Oliver. Sedimentoscopia quantitativa. Leucometria urinária. Leucocitúria. Piúria. Hematimetria urinária.
Hematúria. Eritrocitúria.

Material Biológico:
Urina.

Coleta:
SEDIMENTO SIMPLES:
Alíquota de 40 a 50 ml de urina, após lavagem dos genitais externos com água e sabão. Volume mínimo para crianças e casos excepcionais: 10 ml. A não ser especificação em contrário, coletar o jato "médio" da primeira micção da manhã.
SEDIMENTO EM DUAS OU TRÊS AMOSTRAS:
Coleta-se o jato "inicial" e/ou "médio" e/ou "final" de uma mesma micção para contagem de leucócitos e/ou de hemácias. Auxilia na localização anatômica de uma infecção ou sangramento.
Ver, também, o título "Hematúria fracionada".
CONTAGEM DE ADDIS:
Coletar toda a urina de 12 horas. Por exemplo: à noite, às 19 horas, esvaziar a bexiga e jogar fora essa urina. Daí por diante, juntar num frasco único todo o volume das micções noturnas e, às 7 horas da manhã seguinte (exatamente 12 horas depois), esvaziar de novo a bexiga e acrescentar essa urina ao frasco.
Levar toda a urina ao laboratório ou enviar uma alíquota de 40 a 50 ml da urina bem misturada, informando o volume total das 12 horas.

CUIDADO! Quando o paciente traz urina cronometrada (de 6, 12 ou 24 horas) ou de 24 horas em um ou mais frascos é preciso observar dois detalhes:
a) Cada frasco corresponde a um volume cronometrado com analito a ser dosado ou elemento figurado a ser contado?
Nesse caso, os volumes urinários de cada um dos frascos precisa ser medido separadamente pois as dosagens ou contagens na urina levarão em conta os volumes de cada frasco ou período e as urinas dos diversos frascos não podem ser misturadas. Os volumes devem ser medidos separadamente com precisão de 1 ml. Se as urinas forem aliquotadas, elas precisam antes ser muito bem homogeneizadas antes de transferir a alíquota. Em cada frasco aliquotado deve estar anotado, além da identificação, o volume do qual a amostra proveio e o horário inicial e final da coleta.
b) O frasco ou o conjunto dos frascos corresponde a um único analito a ser dosado ou elemento figurado a ser contado?
Nesse caso, o volume urinário de cada um dos frascos NÃO precisa ser medido separadamente porque só interessa o volume total do conjunto dos frascos e todas as urinas precisam ser misturadas.
Antes de aliquotar uma amostra, a mistura das urinas precisa ser muito bem homogeneizada num recipiente em que caiba tudo e com auxílio de uma colher de inox. No frasco aliquotado deve estar anotado, além da identificação, o volume total com precisão de 1 ml e o horário inicial e final da coleta.
Para individualizar os Valores de Referência urinários por paciente, informar: idade, sexo, peso e altura.

Armazenamento:
Refrigerar a amostra entre +2 a +8ºC

Exames Afins:
Urina tipo I. Hematúria fracionada (prova dos 3 frascos). Urocultura. Antibiograma. Urocitograma.
Contagem de espermatozóides em urina pós-coito (homens). Pesquisa de cristais urinários.
Análise química de cálculo urinário. Gram do sedimento. Pesquisa de Trichomonas vaginalis.

Valor Normal:

SEDIMENTO QUANTITATIVO (DENSIDADE = 1,020 a +20ºC)

Leucócitos

Hemácias

Células epiteliais

Cilindros hialinos

até 10.000/ml

até 5.000/ml

até 10.000/ml #

até 30/ml

# a presença de mais de 10.000 células epiteliais/ml indica contaminação da urina com secreção uretral e/ou vaginal, devendo todo o resultado do exame ser interpretado com reservas.
CORREÇÃO DA LEUCOCITÚRIA PELA HEMATÚRIA: Ver fórmula em Urina tipo I

CORREÇÃO DA CONTAGEM DE ELEMENTOS FIGURADOS EM DENSIDADES DIFERENTES DE 1,020:

Aplica-se a fórmula:

onde: 
EFc	= Contagem do Elemento Figurado corrigido para densidade = 1,020 
EF	= Contagem do Elemento Figurado na densidade DU 
DU	= Densidade Urinária original

Obs.: densidades inferiores a 1,020 DILUEM os elementos figurados e apresentam contagens menores, enquanto que densidades superiores a 1,020 CONCENTRAM os elementos figurados, dando contagens maiores. Por isso, quando as contagens são limítrofes com a normalidade é preciso levar em conta a densidade urinária original e corrigir as contagens para não incorrer em erros diagnósticos.

CONTAGEM DE ADDIS-OLIVER:

Leucócitos

Hemácias

Cilindros

até 1.000.000/12h

até 500.000/12h

até 5.000/12h

Preparo do Paciente:
Seguir instruções do médico-assistente quanto à coleta de jato "inicial", "médio" ou "final".

Interferentes:
Coleta inadequada, micções em intervalos menores que 2 horas. Hiperhidratação.

Método:
Microscopia óptica. Contagem dos elementos em câmara de Neubauer ou Fuchs-Rosenthal.

Interpretação:
Avaliação de infecções e inflamações geniturinárias, bém como sangramentos causados por intervenções no sistema urinário, pesquisa de cristais e outros elementos que se fizerem necessários.
Para comparar o sedimento contado "por campo de 400x" com o sedimento quantitativo "por ml", multiplicar a contagem dos elementos figurados por campo de 400x com área 0,166 mm² por 2.000.
Se o microscópio tiver um campo de 400x com área de 0,133 mm², então o fator de multiplicação será 2.500.

CAUSAS DE HEMATÚRIA:
Parênquima renal: Glomerulonefrite, Nefrite intersticial, Nefropatia analgésica, Pielonefrite, Anemia falciforme, Rim policístico, Cisto renal isolado, S. hematúria-dor lombar, Exercício.
Vasculatura renal: Deposição arteriolar de C3, Trombose ou embolia renal, Má-formação arterial ou venosa, Fístula artério-venosa, S. de Nutcracker.
Trato urinário: Hipercalciúria, Hiperuricosúria, Trauma, Cirurgia, Neoplasia, Uropatia obstrutiva, Varizes, Teleangiectasia, Necrose de papila, Endometriose, Infecção, Infestação, Cistite medicamentosa, Litíase, Hematúria ex vácuo, Corpo estranho, Cateter, Tabagismo, Prostatite, Hipertrofia prostática, Carúncula uretral, Condiloma uretral, Exercício.
Coagulopatia: Defeito plaquetário, Escorbuto, Deficiência de fator da coagulação, Anticoagulantes.

NOMENCLATURA MORFOLÓGICA DAS HEMÁCIAS EM SEDIMENTO URINÁRIO

Discócitos

Esquizócitos

"target-cells", Codócitos

Estomatócitos

Acantócitos

Crenócitos, Equinócitos

Anulócitos

Células G1

Hemácias fantasmas

Nizócitos

hemácias normais, em disco, com dupla concavidade concêntrica.

hemácias fragmentadas irregulares, com tamanhos e formas diversas,
em triângulo, casca, crescente etc.

hemácias em forma de alvo ou com aspecto de sino.

hemácias apresentando área central com depressão do tipo estoma
(fenda lembrando "boca").

hemácias em anel, com protrusões citoplasmáticas vesiculares.

hemácias com espículas regulares e simétricas em sua superfície,
às vezes, lembrando roda denteada.

hemácias planas com espessamento da membrana.

hemácias em rosca, com uma ou mais projeções citoplasmáticas.

hemácias com hipocromia acentuada e afinamento da membrana.

hemácias tricôncavas.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

SELÊNIO

Se

CBHPM 4.03.13.25-5

AMB 28.15.035-0/99

Sinonímia:
Se. Selenito. Seleniato. Selénio.

Fisiologia:

Não-metal (metalóide).
Traços de Se são encontradiços nas lavas vulcânicas sulfurosas, piritas e nos minerais sulfurados de Cu, Pb, Au, Ag e Ni.
O Selênio é um oligoelemento antioxidante constituinte essencial da enzima Glutation-peroxidase (GSH-Px). Ele protege as membranas celulares e o DNA contra os malefícios do catabolismo oxidativo.
Sua eliminação é essencialmente renal na forma de trimetilselênio e também pulmonar na forma de dimetilselênio, responsável pelo hálito aliáceo. O Se interage em todos os níveis com a Vitamina E.

Material Biológico e Coleta:
2,0 ml de soro.
5,0 ml de sangue total heparinizado.
Alíquota de 20 ml de urina.

Valor Normal:

Soro

Sangue

URINA

Concentração tóxica

46 a 143 µg/dl

58 a 234 µg/dl

7 a 160 µg/l

sup a 400 µg/l

* Para obter valores em µmol/l, multiplicar os µg/l por 0,0127

Método:
Absorção atômica.

Interpretação:
Avaliação da exposição ocupacional ao Selênio.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com
http://nautilus.fis.uc.pt/st2.5/scenes-p/elem/e03400.html
http://www.cdcc.sc.usp.br/quimica/tabelaperiodica/tabelaperiodica1.htm

SEROTONINA

5 HIDROXI TRIPTAMINA

CBHPM 4.03.05.11-2

AMB 28.05.051-7

Sinonímia:
5 HT. 5 hidroxi-triptamina.

Fisiologia:
3-(2-aminoetil)-5-hidroxiindol

A serotonina sangüínea se localiza essencialmente nas plaquetas.
Fórmula molecular = C10H12N2O
Massa molecular = 176,218 g/mol

Material Biológico:
Plasma com ácido ascórbico, rico em plaquetas.

Coleta:
Preparar 2 tubos de plástico contendo cada um, 10 mg de EDTA e 75 mg de ácido ascórbico. Coletar 10 ml de sangue numa seringa plástica e transferir depressa 5 ml para cada tubo. Fechá-los e, sem perder tempo, homogeneizar o sangue por inversão repetida, com o cuidado de não fazer espuma para não causar hemólise. Em seguida, centrifugar os 2 tubos a 1.200 rpm durante 20 min a fim de obter plasma rico em plaquetas. Depois, separar o plasma e congelar imediatamente em tubos de plástico.

Armazenamento:
Congelado a -20ºC conserva-se até 7 dias.
Não estocar em freezer tipo frost-free.
Transportar em gelo seco a –80ºC

Exames Afins:
5 HIAA.

Valor Normal:

Normal

Intermediário

S. carcinóide

50 a 200 ng/ml

200 a 400 ng/ml

acima de 400 ng/ml

* Para obter valores em µg/dl, multiplicar os ng/ml por 0,1 ** Para obter valores em µmol/l, multiplicar os µg/ml por 0,005675

Preparo do Paciente:
Jejum de 4 ou mais horas. Água ad libitum. Não administrar radioisótopos in vivoao paciente nas 24 horas precedentes à coleta.
Dieta: o paciente deve abster-se de usar drogas e alimentos relacionados abaixo durante os 7 dias precedentes à coleta.

Interferentes:
Hemólise, lipemia, icterícia.
Presença de radioisótopos circulantes.
Descongelamentos repetidos.
Centrifugação do sangue em velocidade acima de 1.200 rpm.
DROGAS: acetaminofen, derivados da Rauwolfia, inibidores da MAO, levodopa, imipramina, metildopa, fenotiazina, ACTH, 5-FU, glicerol guaiacolato, lítio, salicilatos, morfina, naproxeno, reserpina e guaifenesina.
ALIMENTOS: banana, tomate, uva, abacate, ameixa-vermelha, berinjela, abacaxi, picles, nozes e bebidas alcoólicas.

Método:
Radioimunoensaio com 125I.

Interpretação:
Útil no diagnóstico da S. carcinóide quando o resultado de 5 HIAA na urina é "borderline" ou inconclusivo.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

SEXAGEM FETAL

Sinonímia:
PCR para cromossomo Y fetal no sangue materno. Determinação pré-natal do sexo fetal pelo DNA em plasma materno.

Fisiologia:
O DNA fetal corresponde geralmente a 3 ou 4 % do DNA total circulante no plasma materno a partir da 8ª semana de gravidez.

Material Biológico:
Sangue com EDTA.

Coleta:
2,0 ml de plasma com EDTA.

Armazenamento:
Refrigerar a amostra entre +2 z +8ºC
Não congelar!

Exames Afins:
Ultra-som fetal. Amniocentese. Vilo corial.

Preditividade do sexo:

Semanas de gestação

Até 7

8 ou mais

SEXO MASCULINO

73 a 75 %

100 %

SEXO FEMININO

99 a 100 %

100 %

Preparo da Paciente:
Jejum desnecessário.

Método:
Este teste consiste na amplificação por PCR de um fragmento do cromossomo Y desprendido no sangue materno por feto do sexo masculino. Utiliza primers específicos para um fragmento de 198 pares de bases (Y7/Y8) da seqüência, cópia única e específica do cromossomo Y DYS14, podendo-se assim detectar a presença do cromossomo Y no sangue da grávida.
Podem ser empregados, também, primersdo lócus SRY do cromossomo Y e do lócus ATL1 do cromossomo X.

Interferentes:
Sangue hemolisado.

Interpretação:
Para feto único, a Positividade do teste para o comossomo Y indica feto do sexo masculino e a sua Negatividade indica feto do sexo feminino. Para gêmeos inivitelinos (idênticos), a Positividade do teste para o cromossomo Y indica que ambos os fetos são do sexo masculino e a sua Negatividade indica que ambos os fetos são do sexo feminino.
Para gêmeos bivitelinos (fraternos), a Positividade do teste para o cromossomo Y indica que ao menos um dos fetos é do sexo masculino (podendo ser ambos) e a sua Negatividade indica que ambos os fetos são do sexo feminino.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

SÓDIO

Na

CBHPM 4.03.02.42-3

AMB 28.01.127-9

Sinonímia:
Na. Natremia. Natriúria.

Fisiologia:

Metal alcalino.

Material Biológico:
Soro ou urina.

Coleta:
2,0 ml de soro.
Alíquota de 20 ml de urina de 24 horas. Informar o volume total ao laboratório.

Armazenamento:
Refrigerar de +2 a +8ºC

Exames Afins:
Potássio, Cálcio, Magnésio, Fósforo, Uréia, Creatinina.

Valor Normal:

Soro

Urina

140 a 148 mmol/l

25 a 275 mmol/l

40,0 a 220,0 mmol/24 h

9,77 a 339,51 mmol/g Creatinina

14,29 a 491,07 mmol/g Creatinina

* mmol/l = mEq/l ** Para obter valores em g/dl de NaCl, multiplicar os mmol/l de Na por 0,005844 *** Para obter valores em mmol/l de Na a partir de g/dl de NaCl, multiplicar os g/dl por 171,11

A hiperglicemia causa falsa hiponatremia.
A natremia correta pode ser calculada pela fórmula:

Nareal	= Sódio real (corrigido) em mmol/l 
Named	= Sódio medido em mmol/l 
Glic		= Glicemia em mg/dl 

A hipertrigliceridemia causa pseudohiponatremia.
A natremia correta pode ser calculada pela fórmula:
Nareal = Named + (0,002 × Tri)

onde: 
Nareal	= Sódio real (corrigido) em mmol/l 
Named	= Sódio medido em mmol/l 
Tri		= Triglicérides em mg/dl 

Hiperproteinemias acima de 8,0 g/dl causam pseudohiponatremia.
A natremia correta pode ser calculada pela fórmula:
Nareal = Named + (0,25 × Prot)

onde: 
Nareal	= Sódio real (corrigido) em mmol/l 
Named	= Sódio medido em mmol/l 
Prot	= Proteínas totais em g/dl 

Preparo do Paciente:
Jejum de 4 ou mais horas. Água ad libitum.

Método:
Eletrodo seletivo automatizado.

Interpretação:
AUMENTO:
administração excessiva de salina hipertônica, hiperaldosteronismo primário, S. de Luetscher, corticosteróides, desidratação, tumor cerebral, trauma crânio-encefálico, carbenicilina.
DIMINUIÇÃO: ingestão pobre em Na, vômitos, diarréia, aspiração, fístulas, sudorese, mucoviscidose, extensas lesões cutâneas exsudativas, queimaduras, broncorréia em adenomatose pulmonar, obstrução intestinal, peritonites, celulites agudas, obstrução venosa profunda, nefrite perdedora de sal, insuficiência renal aguda (IRA), D. de Addison, insuficiência supra-renal aguda, diuréticos, cloreto de amônia, pseudo-hiponatremia (hiperglicemia, hiperlipemia e hiperproteinemia), polidipsia, pós-paracentese, hemorragias, intoxicação por água, ICC, cirrose hepática, S. nefrótica.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com
http://nautilus.fis.uc.pt/st2.5/scenes-p/elem/e01100.html
http://www.cdcc.sc.usp.br/quimica/tabelaperiodica/tabelaperiodica1.htm

SOMATOMEDINA C

IGF-1

CBHPM 4.07.12.44-3

AMB 28.05.079-7

Sinonímia:
IGF-I. IGF-1. Insulin-like Growth Factor-1.

Fisiologia:
A Somatomedina C é sintetizada 50 % no fígado e 50 % nos condrócitos das cartilagens de crescimento, assim como nos fibroblastos e em outros tecidos. Ela estimula o crescimento ósseo, sendo a cartilagem o alvo principal, onde ela ativa a síntese protéica, o transporte de aminoácidos e a divisão celular. Além disso, ativa a lipólise e estimula a captação tissular da glicose.
A secreção da Somatomedina C é regulada pelo HGH através do aumento da transcrição e da síntese de RNAm (RNA mensageiro) no fígado e do controle da expressão do gene IGF-1 no cromossomo 12. Por sua vez, a Somatomedina C exerce retrocontrole negativo sobre o HGH no hipotálamo, estimulando a secreção de Somatostatina e inibindo a de GHRH (Growth Hormone Releasing Hormone).
Massa molecular = 21.842 Da

Material Biológico:
Soro ou plasma com EDTA.

Coleta:
2,0 ml de soro ou plasma com EDTA.

Armazenamento:
Congelar a amostra a -20ºC.
Não estocar em freezer tipo frost-free.

Exames Afins:
HGH, Insulina, Glucagon, IGFBP-3.

Valor Normal:

IDADE (ANOS)

0

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16 e 17

18 e 19

20 a 22

23 e 24

25 a 29

30 a 39

40 a 49

50 a 70

MASCULINO (ng/ml)

3,7 a 100,0

6,1 a 131,0

24,3 a 152,0

44,0 a 117,0

30,0 a 150,0

33,0 a 276,0

43,0 a 373,0

23,9 a 392,0

81,4 a 290,0

72,0 a 526,0

30,0 a 289,0

29,0 a 466,0

55,0 a 570,0

71,0 a 972,0

153,0 a 995,0

358,0 a 870,0

239,0 a 630,0

197,0 a 956,0

215,0 a 628,0

169,0 a 591,0

119,0 a 476,0

100,0 a 494,0

101,0 a 303,0

78,0 a 258,0

FEMININO (ng/ml)

3,7 a 100,0

6,1 a 131,0

24,3 a 152,0

44,0 a 117,0

30,0 a 150,0

33,0 a 276,0

43,0 a 373,0

20,0 a 484,0

22,1 a 383,0

30,0 a 428,0

108,0 a 648,0

97,0 a 699,0

163,0 a 991,0

203,0 a 831,0

288,0 a 756,0

261,0 a 752,0

236,0 a 624,0

193,0 a 575,0

110,0 a 521,0

129,0 a 480,0

96,0 a 502,0

130,0 a 354,0

101,0 a 303,0

78,0 a 258,0

* ng/ml = µg/l ** Para obter valores em nmol/l, multiplicar os ng/ml por 0,045783

Preparo do Paciente:
Jejum de 4 ou mais horas. Água ad libitum.

Interferentes:
Lipemia e hemólise.

Método:
Ensaio imunorradiométrico (IRMA) com 125I após extração.

Interpretação:
Acompanhamento de pacientes com distúrbio da secreção de hormônio de crescimento.
AUMENTO: 3 a 9 horas após injeção de HGH, acromegalia, gigantismo, obesidade, hipertireoidismo, gravidez, adolescência, puberdade precoce, retinopatia diabética.
DIMINUIÇÃO: deficiência isolada de HGH, hipopituitarismo, hipotireoidismo, nanismo de Laron, subnutrição, anorexia, distúrbio de crescimento dos Pigmeus, insuficiência hepática, cirrose, hepatoma, diabetes, S. de Turner.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com
http://www.hprd.org/protein/00899?selectedtab=INTERACTIONS

SQUAMOUS CELL CARCINOMA ANTIGEN

SCC

CBHPM 4.07.12.37-0

Sinonímia:
SCC. Squamous Cell Carcinoma Antigen. Antígeno de células escamosas. Antígeno associado ao carcinoma de células do epitélio pavimentoso.

Fisiologia:
O SCC é uma subfração do antígeno TA-4, glicoproteína de ± 48 kDa, descito por Kato em 1977 a partir de um carcinoma de colo de útero. Meia-vida biol[ogica (t ½) = ± 3 dias.

Material Biológico:
Soro.

Coleta:
2,0 ml de soro.

Armazenamento:
Refrigerar a amostra entre +2 a +8ºC

Exames Afins:
CEA. Cyfra 21-1.

Valor Normal:
Soro: até 2,0 µg/ℓ

Preparo do Paciente:
Jejum de 4 ou mais horas. Água ad libitum.

Método:
Enzimaimunoensaio.

Interpretação:
Interpretação:
O teste é útil na avaliação de neoplasias da bexiga, do mesotelioma, na asbestose e do câncer pulmonar não de pequenas células.
Pode aumerntar em numerosas condições benignas como hepatites, cirose, infecções das vias biliares, diabetes, infecções da vias respiratórias (bronquite crônica, pneumonia, pleurisia), afecções benignasnda bexiga, D. de Crohn e insuficiência renal.

QUADRO DE APLICAÇÕES ONCOLÓGICAS

ÓRGÃO-ALVO:

Avaliação da terapêutica

Monitoramento

Prognóstico

Metátases

Diagnóstico

“Screening”

Marcador associado

COLO DO ÚTERO

++

++++

-

+

-

-

CEA

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

STAPHYLOCOCCUS AUREUS RESISTENTES

CBHPM

AMB

Sinonímia:
MRSA. Methicillin Resistant Staphylococcus aureus.
Estafilococo meticilino-resistente.
MARSA. Methicillin and Aminoglycoside Resistant Staphylococcus aureus. Estafilococo meticilino e aminoglicosídeo-resistente.
MSSA. Methicillin Susceptible Staphylococcus aureus.
Estafilococo meticilino-suscetível.
VISA. Vancomycin Intermediate Staphylococcus aureus. Estafilococo de suscetibilidade intermediária à vancomicina.
VRSA. Vancomycin Resistant Staphylococcus aureus. Estafilococo vancomicina-resistente.

Fisiologia:

No início de década de 60, a estafilococcia foi uma importante causa de infecção hospitalar. Após a introdução desses microrganismos na instituição, a sua erradicação tornou-se complicada.
Pacientes infectados geralmente requeriam tratamento com VANCOMICINA, um agente caro e relativamente mais tóxico que os antibióticos usados para tratar infecções causadas por Staphylococcus aureus suscetíveis à OXACILINA.
Os Staphylococcus aureuspodem ser divididos em seis categorias principais:
a) amostras suscetíveis à PENICILINA;
b) amostras resistentes à PENICILINA, suscetíveis à OXACILINA e às CEFALOSPORINAS;
c) amostras resistentes à OXACILINA (MRSA);
d) amostras resistentes à OXACILINA e aos AMINOGLICOSÍDEOS (MARSA),
e) amostras resistentes à VANCOMICINA (VRSA),
f) amostras com suscetibilidade intermediária à VANCOMICINA (VISA).
Staphylococcus aureus resistentes à OXACILINA devem ser considerados resistentes às CEFALOSPORINAS.

Material Biológico:
Diversos.

Coleta:
Segundo recomendação para cada material.

Valor Normal:
Relatam-se os antibióticos e quimioterápicos aos quais a cepa do Staphylococcus aureusem estudo é Suscetível e/ou Resistente.

Método:
O Antibiograma para MRSA, MARSA, VISA ou VRSA deve obrigatoriamente incluir:
Meticilina, Oxacilina, Gentamicina e outros aminoglicosídeos, Cefalosporinas, Rifampicina, Vancomicina e Teicoplamina.

Interpretação:

Estafilococcia em valvas protéticas:

Deve ser tratada com combinação antibiótica.
A Rifampicina tem uma excelente ação anti-estafilocócica nesses casos, no entanto, seu uso isolado leva a rápida resistência.
Nos germes suscetíveis à Meticilina (MRSA) o esquema é:
Oxacilina, 2 g EV 4/4 h +
Rifampicina, 300 mg VO 8/8 h +
Gentamicina, 1 mg/kg IM ou EV 8/8 h
durante 6 semanas, sendo a Gentamicina suspensa após a 2ª semana.
Nos germes resistentes à Meticilina, a Oxacilina deve ser substituída por Vancomicina, 30 mg/kg ao dia divididos em 2 doses, não excedendo 2 g/24 h, a não ser que haja monitoração dos níveis séricos da droga.
Mantém-se a Rifampicina e a Gentamicina conforme descrito acima. O autor da referência sugere que a Rifampicina seja iniciada após as primeiras doses da Gentamicina e Oxacilina ou Vancomicina, para evitar o aparecimento de resistência à Rifampicina.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

SUBSTÂNCIAS REDUTORAS NAS FEZES

CBHPM 4.03.03.15-2

AMB 28.03.024-9

Material Biológico:
Fezes.

Coleta:
Fezes recentes.

Armazenamento:
Refrigerar a amostra entre + 2 a +8ºC

Valor Normal:
Negativo

Preparo do Paciente:
Não utilizar laxante ou supositório.
Coletar sem conservante.

Interferentes:
Mau acondicionamento.

Método:
Colorimétrico. Reativo de Benedict.

Interpretação:
Sua presença constitui um indicador de deficiência congênita de dissacaridases intestinais (lactose e sacarose) ou por lesão não específica da mucosa.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

SULFOHEMOGLOBINA

CBHPM 4.03.04.87-6

CBHPM 4.03.04.87-6

Sinonímia:
S-Hb.

Fisiologia:
As sulfonamidas, a fenacetina e a acetanilida podem alterar a hemoglobina pela adição de um radical sulfuroso à sua molécula, originando a Sulfohemoglobina, que não tem a capacidade de transportar oxigênio. Esta alteração da hemoglobina não pode ser revertida.

Material Biológico:
2,0 ml de sangue total heparinizado.

Valor Normal:
Intervalo de referência: igual ou inferior a 1,0 % da Hemoglobina total

Método:
Espectrofotometria.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

SUOR, ELETRÓLITOS NO

MUCOVISCIDOSE

MUCOVISCIDOSE

AMB 28.14.003-6

Sinonímia:
Prova do Suor. Prova para fibrose cística.
FC. Teste do cloreto no suor.

Fisiologia:
A fibrose cística é doença genética autossômica recessiva causada por diversas mutações conhecidas pelas siglas: delta-F508, G542X, G551D, N1303K, W1282X, R553X, 621+1G>T, 3849+10kbC>T, T553X, R117F, R1162X, R334W e 1717-1G>T.
Em 1953 Darling e colaboradores descobriram que havia uma alta concentração de Sódio e Cloro no suor de pacientes com fibrose cística (mucoviscidose).

Material Biológico:
Suor.

Coleta:
1- Lavar a pele da face anterior do antebraço direito com água deionizada ou destilada quente. Secar.
2- Proceder à iontoforese fazendo passar uma corrente fraca de 4 mA durante 5 min por meio de uma compressa impregnada com pilocarpina a 0,064 % (ionização transcutânea).
3- Lavar novamente com água deionizada ou destilada quente. Enxaguar e secar bem.
4- Abrir o tubo de ensaio contendo as rodelas de papel de filtro e aplicá-las, uma sobre a outra, com uma pinça anatômica sobre a área de pele preparada.
5- Cobrir as rodelas de papel de filtro com um quadrado de plástico transparente, especialmente preparado e colá-lo à pele fechando hermeticamente os 4 lados com esparadrapo ou fita crepe.
6- Após 30 a 60 min, quando o papel estiver molhado de suor, abrir o tubo de ensaio pré-pesado, abrir o "curativo", pegar as rodelas com a pinça e introduzi- las imediatamente no tubo de ensaio e fechá-lo com a rolha para evitar a evaporação do suor.
7- Identificar o paciente na etiqueta do tubo. Para não invalidar o teste, não colar outras etiquetas nem remover a que vem colada no tubo (o peso é crítico).
Obs.: se não se dipuser do aparelho de iontoforese citado no item 2, pode-se coletar o suor ao natural.
Nesse caso o procedimento é o mesmo, mas as rodelas de papel de filtro deverão ser removidas após 2 ou 3 horas. Sugere-se, além do mais, para estimular mais a produção de suor, introduzir o antebraço preparado num saco plástico bem fechado no braço, contendo uma compressa com água quente para aumentar a umidade relativa do ar dentro do saco, favorecendo a sudorese. Cobrir o saco plástico com um cobertor.
Outras formas de coleta de suor (por exemplo, axilar) podem ser empregadas na condição de não se deixar evaporar a água do suor e causar uma concentração dos eletrólitos no papel de filtro.

Exames Afins:
Biologia molecular: teste de DNA para detecção das mutações. IRT. Tripsina imunorreativa.

Valor Normal:

NORMAL

Sódio

Cloro

"BORDERLINE"

Sódio

Cloro

FIBROCISTOSE

Sódio

Cloro

2 a 70 mmol/l ou mEq/l

4 a 50 mmol/l ou mEq/l

50 a 70 mmol/l ou mEq/l

50 a 60 mmol/l ou mEq/l

50 a 150 mmol/l ou mEq/l

50 a 160 mmol/l ou mEq/l

COMPOSIÇÃO GERAL DO SUOR

pH

Densidade

H2O

Cálcio

Cloro

Potássio

Sódio

Ácido láctico

Uréia

Creatinina

Ácido úrico

3,8 a 8,2

1,001 a 1,006

99,0 a 99,5 %

1 a 24 mg/dl

10 a 132 mmol/l

5,4 a 32,2 mmol/l

1,1 a 135,7 mmol/l

285 a 336 mg/dl

15 a 40 mg/dl

0,1 a 1,3 mg/dl

0,07 a 0,25 mg/dl

Preparo do Paciente:
O laboratório fornecerá um tubo de ensaio etiquetado, pré-pesado e fechado com tampa vermelha com capacidade para 10 a 12 ml, contendo dois círculos de papel de filtro Schleicher & Schuell (o mesmo do teste do pezinho).
Obs.: não se deve remover ou colar outras etiquetas nesse tubo nem se pode trocar a rolha para não alterar o seu peso. Não apagar nem manchar a anotação do peso na etiqueta.

Interferentes:
Evaporação da água do suor. Volume precário de suor coletado (menos de 0,5 ml).

Método:
Di Sant’Agnese. Eletrodos seletivos.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com

SURDEZ CONGÊNITA, TESTE DE

MUTAÇÃO 35 del G

Sinonímia:
Mutação 35 del G. Mutação 30 del G. Mutação 167 T.
Gene da Conexina 26. Teste “da orelhinha”.

Fisiologia:
Nos países desenvolvidos, a surdez de origem genética é responsável por 50% de todos os casos de surdez pré-lingual.
Este exame é resultado de tecnologia desenvolvida no Laboratório de Genética Humana da UNICAMP e teve repercussão em todo meio acadêmico brasileiro e internacional.
A Surdez Genética Sindrômica está associada a más-formações da orelha externa ou de outros órgãos ou a transtornos clínicos envolvendo outros sistemas. Aproximadamente 30 % dos casos de surdez hereditária pré-lingual são sindrômicos e considerando-se também a surdez pós-lingual, a contribuição da surdez sindrômica é ainda menor.
A Surdez Genética Não-Sindrômica não está associada a alterações evidentes da orelha externa nem a desordens clínicas de outros sistemas, no entanto, pode haver anomalias da orelha média e interna. Aproximadamente 70 % dos casos de surdez hereditária pré-lingual são não-sindrômicas.
Diversos genes são responsáveis pela surdez não-sindrômica hereditária, apresentando diversos padrões de herança: autossômica recessiva, autossômica dominante, ligada ao cromossomo X ou alterações do DNA mitocondrial.
Cerca de 50 % dos casos de surdez por herança autossômica recessiva ocorrem por mutações em um dos mais de 40 genes descritos, chamado GJB2, que codifica a proteína Conexina 26. A mutação mais freqüente neste gene é a chamada 35 del G ou 30 del G, e também, 167 T. É necessário que o indivíduo afetado herde dois alelos mutados, sendo um do pai e outro da mãe, para que se expresse a surdez. A pesquisa da mutação 35 del G é considerada um exame de extrema importância no estudo da etiologia da surdez, pois em alguns países da Europa, bem como em norte-americanos de origem européia, 2,3 % a 4,0 % dos indivíduos são portadores da mutação 35 del G, isto é, apresentam uma cópia do gene mutado e uma cópia normal, ou seja, são heterozigotos.
Cerca de 10 a 20 % dos casos de surdez hereditária são causados por herança autossômica dominante.
A surdez ligada ao cromossomo X corresponde de 1 % a 2 % dos casos de surdez hereditária.
A Conexina 26 é indispensável ao funcionamento normal da orelha interna e as alterações no gene responsável pela sua codificação são a principal causa de surdez pré-lingual não-sindrômica hereditária.

Material Biológico:
Sangue em papel de filtro (teste do pezinho).

Coleta:
Gotas de sangue total em papel de filtro. Não sobrepor as gotas de sangue uma em cima da outra, mas sim, uma ao lado da outra.

Armazenamento:
Papel de filtro: até 72 horas à temperatura ambiente.
Para prazos maiores, até 60 dias, congelar a -20ºC.
Não estocar em freezer tipo frost-free.

Exames Afins:
Teste “da orelhinha” = Exame de Emissões Otoacústicas Evocadas (EOAs).

Valor Normal:
Ausência das mutações.

Preparo do Paciente:
Jejum não necessário. Após assepsia local com álcool 70ºGL, secar e proceder à punção do calcanhar com lanceta estéril, não penetrando mais de 2 mm.
Limpar a primeira gota com algodão seco e depois coletar as demais gotas de sangue diretamente no papel de filtro S&S 903*, preenchendo totalmente os círculos. Deixar secar a amostra de pé, ao ar livre, durante ao menos 3 horas, à temperatura ambiente e ao abrigo da luz.
Obs.: no caso de uma veia ter sido puncionada, gotas do sangue podem ser aplicadas diretamente da seringa no papel de filtro, não havendo necessidade de puncionar o calcanhar.
* Papel Schleicher & Schuell 903.

Interferentes:
Sangue coletado com EDTA não é aceitável.
Não utilizar sangue de cordão.

Método:
PCR. Polymerase Chain Reaction.

Interpretação:
Tanto o Teste de Surdez Genética quanto o Teste da Orelhinha devem ser aplicados ainda no período neonatal, pois associados, aumentam a eficácia da triagem auditiva. O acesso precoce ao diagnóstico e implante coclear, somados à participação efetiva da família, e intervenções fonoaudiológica e psicopedagógica desde o início do diagnóstico, podem propiciar o desenvolvimento tanto da linguagem quanto da comunicação oral.

Sitiografia:
E-mail do autor: ciriades@yahoo.com